Robô brasileiro é selecionado no Japão

Robô brasileiro é selecionado no Japão Deixe um comentário

O incentivo da tecnologia nas escolas e faculdades brasileiras, viabiliza que ela se espalhe em forma de educação e descubra “gênios” dentro do nosso país. Um exemplo disso é o Instituto Federal de Tocantins que incentiva seus alunos a criarem projetos e levarem em frente suas ideias. O programador e estudante de engenharia Arthur Martins projetou um robô, juntamente com sua equipe de estudantes do IFTO, que simula um tanque de guerra. O robô possui uma micro câmera, que capta todas as imagens que vê e as transmite por códigos. Ele foi criado para enfrentar desafios com níveis altos de dificuldade em uma área de resgate.

Equipe de estudantes do IFTO

Arthur Martins, idealizador do projeto, explica como funciona este robô:

– Imagina um terreno como se fosse uma montanha, mas uma montanha que não tem um formato físico. São cubinhos de madeira 5cm x 5cm, todos espalhados aleatoriamente. Ele tem que andar por cima dos cubinhos e achar o QR code para poder ler. Tem uma informação de áudio relacionada a cada QR code.

Os alunos do IFTO ficaram 8 meses em cima do projeto para finalizar todos os detalhes técnicos. O professor, que da aula de mecatrônica, considera o robô o projeto mais evoluído criado até hoje por alunos da instituição.

Wendell Eduardo, professor e curador desse projeto diz que ” Desde o ano passado a gente tem desenvolvido trabalhos aqui na área de robótica, especificamente este projeto. Os alunos tem trabalhado nele desde outubro. A gente vem trabalhando na montagem e na programação.”.

O Robô que alcançou o Japão

O robô, apelidado de Peste Negra, porque no início estava dando muito trabalho, contou com a participação de mais três alunos do IFTO em seu desenvolvimento. Eles ficaram oito meses estudando e calculando cada detalhe.

Robô Peste Negra

Este projeto foi considerado um dos 10 melhores do mundo em uma seleção realizada no Japão, onde irá acontecer uma competição em julho.

O estudante Samuel Rodrigues afirma que  “Desde que nos inscrevemos, a intensão era fazer o robô para ganhar, para fazer bonito e não voltar sem vitória”. Os estudantes estão muito ansiosos com essa competição e estão certos que irão conseguir uma excelente colocação.

Os alunos afirmam que o incentivo do IFTO foi primordial para que o projeto fosse adiante.

Conhece algum projeto legal ou alguma instituição que incentiva projetos em tecnologia? Compartilhe com a gente.

 Fonte: G1 Globo

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *